PORTUGAL CRISTIANÍSSIMO: A MISSÃO TEMPLÁRIA NOS DESCOBRIMENTOS

PORTUGAL CRISTIANÍSSIMO: A MISSÃO TEMPLÁRIA NOS DESCOBRIMENTOS
Ficha técnica
Editorial:
ZEFIRO EDIÇOES
Año de edición:
Materia
Ciencias ocultas
EAN:
9789728958015
ISBN:
978-972-8958-01-5
Idioma:
PORTUGUES
Disponibilidad:
Agotado

14,86 €

Enquanto se ensina que Portugal, a mais antiga nação europeia, surgiu pela reconquista cristã, levada a efeito por D. Afonso Henriques, omite-se uma outra luta titânica que teve então lugar. Porém, foi dessa luta que nasceu Portugal. O Conde D. Henrique, pai de D. Afonso Henriques, era borgonhês e vassalo do Rei de Leão. Na Idade Média, quem era filho de vassalo, vassalo era. Assim, Portugal nasceu através  da quebra de vassalagem. Um caso gravíssimo! Quem é que poderia evitar que D. Afonso Henriques fosse sentenciado à morte pelo Rei de Leão e banido de qualquer ajuda cristã? Apenas o Papa. E assim foi. D.  Afonso Henriques conquistou Portugal aos mouros, não o entregando ao Rei de Leão nem ficando com ele. Optou por o oferecer ao Papa com o pedido de o reconhecer como seu representante e novo vassalo. Tudo isto é algo pouco divulgado. O que porém sempre foi segredo é o conhecimento de que D. Afonso Henriques não se dirigiu ao Papa, mas ao  Contrapapa. O Papa de então, Anacleto II (1130-38), era um judeu convertido, filho do maior banqueiro transalpino, a quem grande parte da fidalguia cristã devia dinheiro. O Contrapapa, Inocêncio II, refugiado em França, era cristão-velho, mas era apenas apoiado por dois homens, São Bernardo de Claraval e o Imperador da Alemanha. D. Afonso Henriques juntou-se aos dois e ficou no lado certo, pois no final foi Inocêncio II que ficou no trono do Papado. Foi Portugal que colocou o seu peso na balança para a criação de um "caminho cristianíssimo". Foi neste caminho que Portugal se destacou, cumprindo  duas das suas razões de existência. Fernando Pessoa diria que faltava  cumprir a terceira, séculos depois de os templários já terem cumprido  os Descobrimentos Portugueses. Agora do passado chegam-nos as indicações acerca do nosso caminho futuro. Em tempos de aflição até o véu do secretismo se rasga no Templo da Verdade. Rainer Daehnhardt

Otros libros del autor

HOMENS, ESPADAS E TOMATES